Vacina contra Covid-19 produzida a partir do tabaco será testada no Brasil

Imunizante apresentou resultados promissores em um estudo clínico de fase 1 publicado nesta terça-feira (18) na revista científica Nature Medicine


Vacina feita a partir do tabaco é desenvolvida pelas farmacêuticas GlaxoSmithKline e Medicago (Photo by FRANCOIS LO PRESTI / AFP) Foto: FRANCOIS LO PRESTI / AFP

Uma nova vacina contra a Covid-19, desenvolvida a partir do tabaco selvagem (Nicotiana benthamiana), apresentou resultados promissores em um estudo clínico de fase 1 publicado nesta terça-feira (18) na revista científica Nature Medicine. O imunizante CoVLP, produzido pela farmacêutica canadense Medicago R&D Inc em parceria com a GlaxoSmithKline (GSK), provocou uma resposta imune robusta no teste feito com 180 voluntários.

No Brasil, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou a realização do ensaio clínico de fase 3 desse imunizante. Segundo a agência, o estudo aprovado para ser feito no país é de fase 2/3, randomizado, cego e controlado por placebo. Vai avaliar a segurança, eficácia e imunogenicidade da vacina em adultos com 18 anos ou mais.

O ensaio clínico é composto por três estágios e o Brasil participará do estágio 3, com 3.500 voluntários. Ainda segundo a Anvisa, na fase 3 do estudo o objetivo da farmacêutica é incluir até 30 mil pessoas no Canadá, Estados Unidos, América Latina, Reino Unido e Europa. Se os resultados se confirmarem, essa poderá ser mais uma vacina para o combate à pandemia.

“Várias vacinas contra a covid-19 já foram aprovadas, mas nenhuma pode ser produzida em quantidades suficientes para atender à necessidade global com a rapidez de que precisamos. Por isso, diferentes opções serão necessárias para atender toda a população”, destacam os autores do estudo, liderado por Brian Ward, pesquisador da Universidade McGill, no Canadá, e membro da empresa farmacêutica Medicago.

COMO FUNCIONA


Brian Ward, pesquisador da Universidade McGill, no Canadá, e membro da empresa farmacêutica Medicago Foto: Divulgação

Trata-se de uma vacina aplicada em duas doses, com um intervalo de 21 dias entre elas. Segundo a biotecnóloga Larissa Brussa, doutora em genética e biologia molecular e membro da Rede Análise Covid-19, a tecnologia usa a planta Nicotiana benthamiana, que é o hospedeiro experimental mais utilizado em virologia de plantas, devido ao grande número de vírus que podem infectá-lo com sucesso.

Também é utilizada a bactéria Agrobacterium Tumefaciens que atua como vetor viral, sendo a responsável por inserir a sequência de fragmentos de DNA do vírus SARS-Cov-2 com as informações para produzir a proteína S (proteína Spike) em uma célula hospedeira (no caso, a célula da planta).

As plantas são submersas em uma solução contendo o vetor e, com o auxílio da aplicação de vácuo, esse vetor entra nas células das folhas e passa a se integrar ao seu material genético. Durante seis dias, o “maquinário celular” das plantas atua como minifábrica e passa a produzir as VLPs, que são nanoestruturas que imitam o vírus, sem conter o genoma do vírus – ou seja, sem ser capaz de causar doença. As plantas são colhidas para a extração das VLPs e o material para a produção da vacina é isolado. Por fim, as VLPs são purificadas para que se obtenha o material final necessário para a produção do imunizante.

“A bactéria agrobacterium é modificada para conter o material genético para a produção de uma partícula da proteína S [a proteína Spike do coronavírus, que é a responsável por infectar as células humanas] semelhante à encontrada no novo coronavírus, chamada de CoVLP”, explicou Larissa. Esse material genético é introduzido nas plantas, que passam a produzir essa partícula em grande quantidade. “As plantas não são geneticamente modificadas. Os processos celulares naturais das plantas produzem as VLPs”, disse a pesquisadora.

A farmacêutica Medicago desenvolve a vacina a partir do tabaco em parceria com a GlaxoSmithKline (Photo illustration by STR/NurPhoto via Getty Images) Foto: NurPhoto / NurPhoto via Getty Images
A farmacêutica Medicago desenvolve a vacina a partir do tabaco em parceria com a GlaxoSmithKline (Photo illustration by STR/NurPhoto via Getty Images) Foto: NurPhoto / NurPhoto via Getty Images

Os testes de fase 1 foram realizados nos Estados Unidos e no Canadá em um grupo controlado de 180 voluntários com idades entre 18 e 55 anos, entre os dias 13 de julho e 9 de agosto de 2020. A segunda dose foi aplicada após um intervalo de 21 dias – sozinha ou com um adjuvante (o AS03 ou o CpG1018), escolhidos de forma aleatória para avaliar qual deles traria um resultado melhor. 

“O adjuvante é uma molécula que vai estimular o sistema imunológico a atuar de forma mais potente no local da vacinação. Ele vai amplificar a resposta imune do paciente”, explicou a biomédica Mellanie Fontes-Dutra, doutora em neurociência e uma das divulgadoras científicas da Rede Análise Covid-19.

Segundo os resultados do estudo, os pesquisadores observaram que sem o uso do coadjuvante a CoVLP produziu uma resposta imune modesta. Mas, ao avaliar os dados dos pacientes que receberam o imunizante junto com qualquer um dos dois adjuvantes, a resposta foi significativamente maior. “Os participantes que receberam a CoVLP com o AS03 produziram anticorpos neutralizantes em nível 10 vezes maior do que aqueles observados em pacientes em recuperação da covid-19”, afirmaram os pesquisadores.

Para Mellanie, um dos diferenciais da CoVLP é o fato dela ser feita com base em uma tecnologia nova que, em tese, tem custo mais baixo. “Você infecta a planta, coloca parte do gene do coronavírus dentro dela e em seis dias essa planta se desenvolve e no processo celular cria as VLPs. É algo muito promissor porque é mais rápido, mais versátil e que facilita a produção global em larga escala num curto espaço de tempo”, avalia a biomédica.

A Medicago tem feito pesquisas usando plantas como biorreatores desde 2014 – os cientistas também usaram a Nicotiana benthamiana para auxiliar na produção de uma vacina da gripe comum, causada pelo vírus influenza. Em novembro do ano passado, a farmacêutica publicou seu primeiro estudo de eficácia dessa vacina, com resultados animadores. A pesquisa continua em andamento.

Fonte: https://epoca.globo.com/

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações