Educação – Participantes de audiência pedem derrubada de veto a ajuda para internet no ensino público

Projeto aprovado prevê R$ 3,5 bilhões para estados e municípios fornecerem internet a alunos e professores da rede pública.

Participantes de uma videoconferência promovida pela Comissão de Educação da Câmara dos Deputados defenderam, nesta sexta-feira (7), a derrubada do veto à ajuda financeira para internet de alunos e professores das escolas públicas em decorrência da pandemia de Covid-19.


abata Amaral: medida beneficiaria 18 milhões de estudantes

Em março, o presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o projeto aprovado pela Câmara em dezembro de 202o (PL 3477/20) que previa ajuda de R$ 3,5 bilhões da União para estados, Distrito Federal e municípios com esse objetivo. Bolsonaro alegou que faltou esclarecer o impacto da medida no Orçamento da União.

A proposta beneficiaria alunos de famílias inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais. A deputada Tabata Amaral (PDT-SP), que relatou o projeto, previa que a medida beneficiaria 18 milhões de estudantes e 1,5 milhão de docentes.

A expectativa da parlamentar agora é que se derrube o veto com acordo, para dar início à regulamentação da nova lei.

“O Brasil ainda é muito desigual. Isso significa para muitos alunos mais de um ano sem aulas. A falta de acesso à conectividade e a desigualdade no acesso à internet são as grandes responsáveis por isso. Um dado que me entristece e me vem à mente todos os dias é que 55% dos alunos que residem em favelas não puderam estudar no último ano, a grande maioria por falta de conectividade. Este é um dado do Data Favela”, declarou Tabata Amaral.

Ações
Em resposta às demandas, o secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Mauro Rabelo, informou que a pasta tem focado em diagnóstico e planejamento para que o investimento nas escolas tenha qualidade. O ministério, inclusive, desenvolveu um painel de monitoramento da educação básica com informações acerca da situação desta etapa do ensino durante a pandemia.Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

- Audiência Pública - Práticas exitosas no ensino remoto e a regulamentação do PL3477/2020. Secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Mauro Luiz Rabelo

Mauro Rabelo: MEC tem focado em diagnóstico e planejamento

No que diz respeito à tecnologia, Rabelo contou que está em avaliação a possibilidade de permitir às redes de ensino utilizar saldos em conta para a conectividade. “É uma medida de curto prazo que estamos avaliando junto com a nossa consultoria jurídica para estabelecer regras que deem guarida para os gestores poderem fazer uso de forma emergencial”, explicou.

Parceria com estados
Outra ação diz respeito à criação, ainda neste ano, de ambientes de aprendizagem focados na formação de docentes. “Já garantimos o orçamento. A gente pretende, em parceria com os estados, estabelecer esses espaços”, garantiu o secretário.

Tabata Amaral observou que o papel do Ministério da Educação, além de coordenar esforços educacionais, é amparar as redes que mais precisam. Por esse motivo, ela procurou deixar espaços livres no projeto para regulamentação posterior.

Conectividade
Em defesa da conectividade, o presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), Luiz Miguel Garcia, destacou a impossibilidade de orientar alunos a distância sem apoio tecnológico. O material impresso, disse, pode até chegar ao aluno, mas a orientação fica prejudicada.

O secretário de Educação da Paraíba, Claudio Furtado, que representou na audiência o Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), observou que em muitos estados as experiências mais exitosas de ensino remoto se deram a partir da soma de várias ferramentas, como a internet ou mesmo a televisão e o rádio. Daí a importância, de acordo com ele, de conectar estudantes e, ao mesmo tempo, fornecer capacitação digital a eles.

“Para uma parcela da população, a conectividade se mostrou necessária como ferramenta de inclusão social. As pessoas estão excluídas porque não têm acesso a ela”, lamentou Furtado.

Direito essencial
A presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (Ubes), Rozana Barroso, acrescentou que estar longe do acesso à educação é uma violência a um direito essencial.

“O que o nosso povo perde quando os estudantes não conseguem acessar a educação, a escola, não conseguem estudar? Quantos estudantes deixaram de entrar no ensino superior, quantas médicas, quantos engenheiros, quantos professores, quantos enfermeiros, quantas pessoas nós perdemos, quantos profissionais nós perdemos? Então, a internet é muito importante para o acesso a educação”, defendeu.

O veto presidencial ao PL 3477/20 aguarda análise de deputados e senadores, em sessão conjunta do Congresso Nacional. Para derrubar um veto presidencial são necessários, no mínimo, 257 votos na Câmara dos Deputados e 41 no Senado.

Reportagem – Noéli Nobre
Edição – Roberto Seabra

Fonte: Agência Câmara de Notícias

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações