Gilmar Mendes critica aumento do fundão eleitoral: “Não existe almoço grátis”

Segundo o ministro, agora é preciso “fortalecer a fiscalização dos gastos de campanha”

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes criticou nesta 6ª feira (16.jul.2021), por meio do Twitter, a aprovação pelo Congresso Nacional do texto da LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2022, que permite um aumento no Fundo Eleitoral.

A LDO é a base do Projeto de Lei Orçamentária Anual. A proposta, que agora segue para a sanção presidencial, permite o aumento de recursos públicos destinados a partidos políticos e candidatos, para fazerem campanha nas eleições.

Nas eleições municipais de 2020 o valor desse fundo foi de cerca de R$ 2 bilhões. Nas regras aprovadas pelos congressistas, pode chegar a R$ 5,7 bilhões em 2022. Esse incremento inclui uso de recursos do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Gilmar Mendes afirma que em setembro de 2015, quando STF proibiu o financiamento eleitoral por empresas, ele havia também alertado para “o risco de inflação exorbitante do fundão”. À época, o magistrado, Celso de Mello e Teori Zavascki votaram contra o fim do financiamento eleitoral por pessoas jurídicas.

Para ele, a solução agora seria “fortalecer a fiscalização dos gastos de campanha”, que, segundo ele, é “historicamente frágil”.

“Em um sistema complexo, não há fórmulas prontas e nem almoço grátis”, afirmou.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp

Barra Do Corda portal de notícias, tudo sobre a nossa cidade com:

Rapidez, Verácidade e Ética.

Não se esqueça de se inscrever para receber nossas notícias. Digite seu e-mail e saiba tudo sobre Barra do Corda a nossa cidade.

Informações